[sempre de acordo com a antiga ortografia]

segunda-feira, 1 de junho de 2009



Festival de Música do Estoril
É com muito gosto que, utilizando as páginas deste blogue, passo à divulgação do Festival de Música do Estoril, cujo programa, do maior interesse, qualidade e coerência de matriz, os meus amigos e habituais leitores terão acesso no seu sítio oficial. Bem pode dizer-se que, aqui tão perto, e em pleno Verão, é o grande evento da música erudita na grande Lisboa.

Adquiriu uma invejável visibilidade nacional e internacional que os melómanos da capital e arredores não dispensam. Está de regresso à Costa do Estoril, entre 13 de Julho e 5 de Agosto, com o objectivo de reforçar e estimular as mais variadas formas de expressão artística.

Passo a citar alguns parágrafos do anúncio da iniciativa:

"(...) Tendo como palco vários espaços culturais da região da Costa do Estoril, este evento proporciona o cruzamento de experiências entre artistas portugueses e estrangeiros consagrados e ainda com jovens talentos.

À semelhança das edições anteriores, o Festival reúne várias iniciativas artísticas, como as Semanas de Música do Estoril, os Cursos Internacionais de Música e o Concurso de Interpretação. O programa de animação conta, também, com a realização de concertos dedicados aos mais variados tipos de música, nomeadamente, tradicional, de câmara, sinfónica, coral e de jazz, bem como peças de teatro e bailado.

Em paralelo, terão ainda lugar vários debates e conferências que pretendem proporcionar espaços de reflexão sobre as mais variadas questões ligadas ao mundo do espectáculo. Este festival tem, por outro lado, contribuído em muito para o lançamento dos mais promissores talentos artísticos da actualidade nacional (...)".

Bem posso acrescentar que, ao longo dos anos, o Festival do Estoril sempre se afirmou num crescendo de gabarito, em todas as suas vertentes, razão pela qual tem constituído invariável fonte de prazer, sem jamais decepcionar. Estando por aqui, não falho um evento.

Por outro lado, ao contrário de outros lugares bem nossos conhecidos, em Estoril e Cascais tudo é propício e civilizado, nomeadamente no que respeita ao estacionamento nas cercanias de qualquer dos excelentes auditórios onde decorrem os recitais, concertos, tertúlias, palestras, encontros, concursos, etc. Enfim, trata-se de uma óptima festa à volta da Música, cujo programa se afirma e recomenda, repito, sem cedências a manifestações de duvidoso gosto, e com uma grande lógica de concepção interna.

É um Mare Nostrum que vale mesmo a pena.

3 comentários:

Anónimo disse...

Aguardo os seus comentários ao Festival de Sintra.

Carlos T.

João Cachado disse...

Carlos T.,

Lamento desiludi-lo. Em contrapartida, aconselho-o mesmo a visitar o sítio oficial do Festival do Estoril. Depois, se estiver habilitado, faça comparações. Sem outro assunto (e, muito menos, sem comentários ao Festival de Sintra...),

João Cachado

José João Arroz disse...

Carlos T. e João,

Julgo saber porque o João Cachado não se pronuncia sobre o Festival de Sintra. No ano passado ele deixou bem claro o desacordo com aquela solução dos Contrapontos. Neste ano tudo se repete. O Festival não tem um programa, tem uma série de coisas desconexas. Não há festival sem uma linha de força. Percebe-se como é fácil desacreditar um Festival tão interessante e importante como o de Sintra. Por isso, sem dizer uma palavra sobre o Festival de Sintra, o João Cachado aconselha o do Estoril. Lá está, para bom entendedor...

Cumprimentos para Carlos T. e abraço para o João,

José João M. S. Arroz