[sempre de acordo com a antiga ortografia]

quarta-feira, 11 de maio de 2011


Analfabetismo,
português, real, insofismável…

Na gestão da coisa pública, o que deveremos nós pensar dos políticos que, para além do analfabetismo puro e duro de cerca de dez por cento da população portuguesa, também não consideram o designado analfabetismo regressivo que, em muitas circunstâncias, não é coincidente com a iliteracia? Tão surpreendente como ignorantemente, Portugal tem sido governado como se esta condicionante da realidade sociológica em presença fosse dispicienda. Claro está que o resultado não podia ser mais elucidativo...

Por exemplo, muitos pais e avós dos actuais licenciados portugueses são analfabetos ou iletrados. Não há qualquer semelhança entre as famílias médias de crianças portuguesas e finlandesas ou austríacas frequentando o Ensino Básico ou Secundário, sempre com desvantagem para os nossos índices constantes das estatísticas oficiais. Está muito enganado quem pensa que tão insofismáveis realidades - sem expressão no designado Memorando da troika - não tem importância para resolução dos problemas do país.


A propósito, quando se fala em analfabetismo e iliteracia, deve lembrar-se que há vários milhões de portugueses cujas famílias há uma, duas gerações, eram analfabetas. Importantíssima a noção a reter de que o analfabetismo de um cidadão é como mancha de óleo que alastra, afectando, de um ou outro modo, pelo menos, dois, três familiares próximos, quer vivam ou não no mesmo agregado. Por outro lado, a nossa literacia é tão fraca quanto recente. Cumpre questionar como ignorar esta grelha sociológica ao analisar, por exemplo, o resultado de uma sondagem.


Finalmente, por outro lado, já assumiram os leitores que é com este nosso povo, com tão significativas franjas de analfabetismo e iliteracia - incomparáveis na zona Euro e em toda a UE - que o país vai ter de contar para concretizar as medidas constantes do referido Memorandum? Imaginam até que ponto factores tão negativos vão condicionar o alcance dos objectivos implícitos?



12 comentários:

I. Ribeiro disse...

Colega Cachado,
Parece-me que hoje também sou a primeira pessoa a intervir. Claro que é um professor, um homem da Educação que se lembra destes factores importantíssimos. Num país como o nosso estas questões são tratadas como fazem as badalhocas a certo lixo: escondem debaixo dos tapetes. E o resultado depois vê-se bem... Brilhante, colega. Mas não tenho ilusões, só os lúcidos pensam assim e são muito poucos, alguns técnicos, certos intelectuais e mais nada. Estou muito apreensiva. Parece que vejo a nossa situação ao espelho no que se está a passar hoje na Grécia. Tenho grande receio que o nosso caminho vá dar ao mesmo beco.
Abraço amigo,
I.Ribeiro

E. R. Mattos disse...

Caro Dr. Cachado,
A acrescentar às suas informações e comentários, venho recordar que há muitos portugueses que não são considerados analfabetos porque sabem assinar o nome. Aprenderam a «desenhar» o nome, assinaram no BI e lá estão alfabetizados...
Sou professora do Ensino Básico aposentada. Sei o que escrevo.
E. R. Mattos

Carlos Sousa disse...

Amigo Cachado,

Deve ter havido qualquer problema porque, durante dois dias não consegui entrar no seu blogue. Como costuma dizer-se, contra factos não há argumentos... O analfabetismo e a iliteracia estão bem enraizados e condicionam qualquer objectivo que pretendamos alcançar. Naturalmente, os políticos não falam disto porque devem estar à espera que morram os analfabetos mais velhos. Quantos aos outros as "Novas Oportunidades do Sócrates" já estão a transformá-los rapidamente para melhorar as estatísticas. Afinal como é que ele tirou o curso dele? Não foi com "habilidades"?
Abraço, Carlos Sousa

Anónimo disse...

At. Dr Cachado, há muitos analfabetos que valem bem por uma dúzia de Sócrates. Analfabeto não significa ignorante. Também há muitos analfabetos habilidosos que não são desonestos como o Sócrates.

Anónimo disse...

Analfabetos e iletrados de todo o mundo: - Uni-vos para dar a maior coça ao PM de Portugal! Cada um agarre num Magalhães (que não serve para nada nem ao analfabeto nem ao iletrado) e atire-lhe à cara ou onde dê mais jeito.
Livrem Portugal deste
habilidoso tão reles que nem serve para deputado dos analfabetos. Talvez exportá-lo pró Brasil
para abrir um ateliê de
engenharia civil com aquele
palhaço Kiririca ou lá o que é das últimas presidenciais brasileiras.

re

Anónimo disse...

Impressionante esta alergia ao Socrates. " Cada um agarre num Magalhães (que não serve para nada nem ao analfabeto nem ao iletrado) e atire-lhe à cara ou onde dê mais jeito"... Ò Cachado este seu blog já teve melhores dias. Saudações democráticas e um pouco mais de paciência. As eleições estão aí!
Artur Ferreira

João Cachado disse...

Caros amigos e leitores,

De facto, pela amostra de tão singela janela como esta do sintradoavesso, parece que a alergia ao Sócrates está a atingir, proporções directamente proporcionais aos malefícios que a sua gestão desencadeou. Como diz o povo, quem semeia ventos...

Este blogue, aliás, nem de perto nem de longe, se compara com as infectas cloacas que para aí abundam onde, alto e bom som, à mistura com os impropérios mais escandalosos, se vomita um ódio ao Sócrates que só tem comparação com o que, então, na surda, era dirigido ao Salazar nos tempos do fascismo.

Ao contrário do que pretende o autor do anterior comentário, Os dias deste blogue continuam cada vez melhores e, q.e.d., sempre fiéis ao "estatuto editorial", ou seja, no respeito absoluto pelas opiniões alheias, inclusive as de anónimos que, nos tempos que correm, não têm qualquer razão para não subscreverem as suas opiniões. Ou prefeririam que eu exercesse alguma forma de censura às mensagens desfavoráveis a S.Exa. o PM? Bem, a menos que receiem alguma forma de represália dos 'domini canes'?

Saudações democráticas,

João Cachado

Anónimo disse...

Pese embora a aparente aversão ao actual PM, estou convicto que vai ganhar.
Basta ouvir os comentários oriundos dos mais diversos estratos da população...
É que uma grande parte dos eleitores come à mesa do Orçamento do Estado e ainda não compreendeu (ele, Sócrates, mente, mente... e as mentiras repetidas tornam-se verdades)que ele vai executar aquilo que, de fora, lhe determinaram...
Sim, Dr. Cachado, os "domini canes" andam por aí e, sempre que podem, mordem; usam represálias, de forma insidiosa, que só o prejudicado sente...

R. Távares disse...

Amigo e colega,
Como os comentários resvalaram para o PM, até parece que há qualquer relação entre o analfabetismo, a iliteracia e o Engº Sócrates... Percebi que sectários muito primários tenham atacado o Cachado, sem que o colega quisesse atingir o homem. Na realidade, há muitos "domini canes" mais papistas que o Papa. A independenciazinha, meu caro João Cachado, ainda é muito incompreensível para pessoas que entendem o debate político como um jogo Benfica-Sporting. Abraço,
R. Távares

Anónimo disse...

Pelo tipo de alguns dos comentários que acabei de ler, está visto que há muita forma de analfabetismo e de iliteracia. Como considerar alergia primária já não poder suportar mais as mentiras do Sócrates que, nesta terra de cegos, teve o olho de rei espertalhão que nos trouxe
ao desastre em que estamos.

Anónimo disse...

Para além da alergia ao Socrates o anónimo anterior que fala desta terra de cegos tem consigo um grave problema de visão. Só vê de um lado. O ódio vai cegando.

Luísa Nunes disse...

O Passos Coelho ontem disse mais umas asneiras a propósito das Novas Oportunidades que só revelam a sua ignorância. É um assunto que se relaciona com estas considerações do Prof. João Cachado acerca do analfabetismo e iliteracia e por isso o meu comentário.
Luisa Nunes