[sempre de acordo com a antiga ortografia]

sexta-feira, 19 de março de 2010

Como eram a azinhaga e a casa
Vale dos Anjos,
o inferno em que tudo vale

O primeiro comentário inserido no artigo “Seteais, a propósito duma promoção” poderia ser gerador de uma indignação legítima, pela desconformidade latente com a defesa do nosso Património na Serra de Sintra e Paisagem Cultural da Unesco.


Até onde foram as escavações
Todavia, basta ler aquelas breves palavras para perceber que há quem aprove os projectos mais infames, verificando-se amiúde o alheamento dos organismos que deveriam actuar rapidamente contra os desmandos. Não raro, ao considerar os contornos com que se propõem projectos PIN ou, ao chegar à conclusão de que o licenciamento de um Fórum e grande parque de estacionamento adjacente se aparenta ligado a um mecenato de tal modo controverso que poderá atingir os dois milhões e meio de euros, a título de reabilitação do eléctrico, quem poderá espantar-se com a escrita dos disparates mais similares e convergentes?

Volumetria do construído agora
Só faltou que PC advogasse uma continuidade de condomínios privados, ou o loteamento da Serra para moradias e suas piscinas, como chegou a estar previsto para a Tapada do Saldanha e que o 25 de Abril fez gorar.

Portanto, pela minha parte, estou grato a PC por ter justificado estas palavras ao mesmo tempo que se juntam as fotos de como era a Quinta dos Anjos e como evoluíram as obras da construção.

Não é para envergonhar o PC, mas sim quantos intervieram no processo e se encontram caladinhos por razões que a verdade, certamente, desconhece.

No inferno também haverá gente desqualificada.

Fernando Castelo


Nem o muro escapou ...... Largura da Azinhaga...... Novo "muro" acimentado

7 comentários:

João Gonçalves disse...

Não tenho um conhecimento pormenorizado de Sintra e muito menos dos nomes pelos quais são conhecidas algumas zonas. Por acaso desci este caminho que se vê nas fotos, de bicicleta, há 15 dias atrás e pareceu-me no mínimo estranho que se andassem a fazer tais obras naquele sítio. Mas enfim, é a Sintra que temos...

E.Reis disse...

De facto é uma vergonha. Conheço o caminho que tinha cerca de dois metros nos sítios mais estreitos e agora passa-se dificilmente. Estive lá ontem. A casa é gigantesca e tão perto do Palácio é um escândalo que o senhor PC (que deve estar a mando do dono) ainda lhe dá para fazer humor.
Uma pessoa vê uma coisa destas e perde qualquer ânimo para protestar porque quem faz uma coisa destas é muito poderoso e como a Câmara Municipal não ajuda e até dá licença de construção nãp há nada a fazer. O Cachado e o Castelo denunciam mas é a mesma coisa que berrar no deserto. Estamos muito mal e não vejo luz nenhuma ao fundo do tunel.
E.Reis

Anónimo disse...

Apetece dizer que as pessoas têm o que merecem, votaram no Seara agora aguentem. Mas não pode ser porque o Seara, o Espírito Santo e o Pais do Amaral destroem Seteais e tudo o que for preciso a favor dos seus objectivos. Já não sei se vale a pena uma pessoa protestar porque não se vê resultado nenhum dos protestos. Por exemplo, o caso de Vale dos Anjos seguiu para o tribunal Administrativo mas nunca mais se sabe como acaba e quando o processo acabar já o Pais do Amaral inaugurou a casa a gozar com toda a gente. O Seara de quem depende as licenças de construção vai ficar ligado ao pior período de destruição de património em Sintra mas não deve estar nada preocupado porque depois vai para um cargo público ou privado a ganhar o que quiser.
P.Guerra

Anónimo disse...

Isto não é só o desgoverno de Sintra, é o desgoverno de um país inteiro onde a Justiça como pilar primordial da Républica se encontra completamente corrompida!O Sr. Presidente da CMS envergonha-nos a todos continuadamente! Seja um homem digno Sr.Seara!
Luis Ferreira

Anónimo disse...

Não percebo porque alguém que faz perguntas e não concorda com tudo o que foi dito passa a ser alguém a mando do dono da obra.
As fotografias do existente são fracas e pouco elucidativas mas com certeza que quem aqui fala do existente sabe o que lá existia ou não?
Também não percebo onde do comentário que escrevi foram buscar a ideia dos condomínios e loteamentos pela serra fora.
O que me faz espécie é o que terão dito os habitantes da zona quando começaram a construir seteais, quinta do relógio, monserrate, regaleira, etc... E o atentado, esse sim vergonhoso, o hotel tivoli?
PC

Fernando Castelo disse...

Na realidade, PC ainda não se apercebeu (acha as fotos pouco elucidativas)que a antiga casa do caseiro e uma ou outra que estavam degradadas, estão perfeitamente visíveis. Tal como a Azinhaga se pode apreciar com o seu contorno para a direita.

O que está a ser feito não é a recuperação do que lá existia. As movimentações de terras, a(s) nova(s)construção(ões), o derrube do muro da Azinhaga para dar espaço à construção, mostram a verdade com que nos confrontamos.

Há regras de respeito e normas a observar na recuperação destes espaços na zona do Património.

Misturar seteais, quinta do relógio, monserrate ou regaleira com o que está sendo feito em Vale dos Anjos só por falta de conhecimento do local.

Finalmente, deve dizer-se que o aumento de construções na Serra (as tais construções de qualidade para que a Serra seja habitada) só seria feito à custa do loteamento de muitas quintas que, repito, o 25 de Abril em boa hora travou.

Anónimo disse...

É vergonhoso:
Que não se cumpra as leis. (Pais do Amaral, Fernando Seara/C.M.S., IGESPAR e Parque Natural de Sintra-Cascais)
Quem pode não as cumpre. (Pais do Amaral, Fernando Seara/C.M.S., IGESPAR e Parque Natural de Sintra-Cascais)
Quem pode é quem tem dinheiro (privado ou PUBLICO) (Pais do Amaral, Fernando Seara/C.M.S., IGESPAR e Parque Natural de Sintra-Cascais)