[sempre de acordo com a antiga ortografia]

quinta-feira, 1 de abril de 2010

“Dedicação” entre aspas…

Desde o início, como sabem, o sintradoavesso tem pautado a sua actuação pela sistemática denúncia de situações tão frequentes e desagradáveis como ruas e estradas com pavimentos miseráveis, prédios de entranhas às escâncaras, lixeiras a céu aberto, construções inusitadas, estacionamento selvagem, património natural e edificado descuidado e ofendido que, a eito, por aí proliferam.

De algum modo, a designação do blogue evidencia a sua própria razão de ser. Como sintradoavesso foi baptizado. Percebe-se, sempre se percebeu porquê. Tantas horas de escrita e, quantas mais, da vossa leitura, constituem prova provada de que muita coisa causa, e continua a causar, espanto e escândalo neste periférico, amodorrado, neurasténico e desafortunado concelho de Sintra que será capital, não do romantismo, mas, isso sim, da designada cultura do desleixo.

Se demonstração necessária fosse para atestar o que venho afirmando, bastaria lembrar que, em poucos anos, Sintra passou de 5º para 42º lugar, perdendo trinta e sete lugares na graduação nacional de qualidade de vida. As situações afins da tão negativa imagem do concelho, objecto da preocupação do sintradoavesso, mais não são do que apenas um dos aspectos das causas que, a montante de tanto problema, explicam os nossos viveres menos qualificados, geradores de tanto descontentamento.

Ora bem, depois do recente advento da fotografia, o sintradoavesso vai apresentar o “Dedicação” entre aspas, passatempo que, não só visa a identificação e denúncia de casos repreensíveis e inaceitáveis, através da publicação de fotos relativas a tais situações que não podem nem deviam estar a acontecer, mas também dar oportunidade que os leitores dêem largas à imaginação.

Em princípio, a identificação da imagem não será tão óbvia como, à primeira vista, poderia parecer. Então, vão-se preparando. Contem ainda com a disponibilidade do sintradoavesso para receber e publicar fotos de casos semelhantes que existam em todas as freguesias porque, infelizmente, há imensas ocorrências que desconhecemos neste gigantesco concelho…

A título de exemplo, aqui têm a primeira imagem do passatempo “Dedicação” entre aspas, com as respectivas dicas.

Trata-se de:
a) Chegada do primeiro turista asiático
b) Peregrino decapitado
c) Painel em edifício municipal

3 comentários:

Alagamares disse...

Igualmente ligado com património abandonado reenvio texto por mim editado no site da Alagamares em www.alagamares.net
Sintra Património Mundial tem palácios, recantos, árvores testemunhas de centenárias primaveras e húmidos invernos.Mas aquilo que mais ressalta é a decadência de muito do seu património, para alguns cultores dum belo horrendo eventualmente inspirador, como nosferatu em pedra, mas de todo o modo, símbolo do pouco carinho que o património ,apesar das palavras, na prática pouco inspira.Aqui fica um exemplo: o telhado do edifício do Café Paris, primeira imagem para quem vem da Volta do Duche, qual massacre bósnio na semana seguinte, a inscrever na arqueologia da impotência do Poder em Fazer.

Acrescente-se a Gandarinha, o Bristol,a Torre do Relógio,a casa do Marquês de Pombal,as construções no fundo da Volta do Duche,o Hotel Neto,a má conservação das fachadas ou as cacafonias dissonantes da esplanada do Hockey, dos letreiros da Camélia,do Hotel Tivoli,tudo enquadrado pelo trânsito caótico dos caçadores de queijadas parando à porta da Piriquita impunemente como cavalo à porta do saloon do velho Oeste,eis um Património Mundial que se é uma paisagem cultural de eleição,o é ainda porque a qualidade e simbologia do seu "pathos" se sobrepõe ainda no imaginário, e pelo contributo gratuito que a Natureza generosa anualmente faz a esta Cynthia anorética.
Sem tecto, entre ruínas, é o triunfo dos trolls imaginários deambulando nas neblinas de Sintra..

Nuno disse...

caro joâo, chamo-me Nuno Vicente, moro em Sintra e gostaria muito de me encontrar consigo. Sobretudo para que me contasse mais sobre a figura de Mily Possoz.

Anónimo disse...

Parabéns pela perseverança! Fotografe e escreva porque depois, pelo menos, não podem dizer que não sabiam ou que as pessoas não ligam.
Soube através do seu blogue que Sintra passou de 5º para 42º lugar, perdendo trinta e sete lugares na graduação nacional de qualidade de vida. Em quantos anos?...
Percebo perfeitamente pois vivo em Sintra, tirando a Biblioteca de Sintra, o Café Saudade, o bom trabalho do Monte da Lua e o novo autocarro para Jardins de Monserrate têm sido só tristezas e até tragédias...
Era importante saber se o turismo aumentou ou não? será que sabe esses dados? É que a mim parece-me ter diminuído, será?